O Fogo e o Fumo da Eucaliptização compul$iva


 Não é de agora que  tudo isto se sabe…Não é de agora que de Norte a Sul secam poços, fontes, jazidas de água, regatos… onde as celuloses converteram serras e zonas de floresta autóctone (carvalho, azinheira, sobreiro, castanheiro, pinheiro silvestre, freixo, amieiro…) em eucaliptais industriais, onde alteraram a morfologia das serras, terraceando-as e convertendo-as em plantações de eucaliptos, para bem dos gestores das multinacionais de celulose e pasta de papel… Não é de agora que a aldrabice do “petróleo verde” se vem impondo neste país.
Em meados dos anos 80, as populações de Valpaços e serra da Aboboreira, entre outras, levantavam-se contra a eucaliptização forçada, “em terras de azeite e pão”, em alguns casos apoiadas por ativistas de diferentes associações ecologistas e ativistas libertários, como em Valongo  e  Gondomar.

Foto de Patrícia de Melo Moreira /AFP
Atualmente, perante as ofensivas legislativas do governo que pretende alargar ainda mais a zona de implantação do eucalipto, torna-se ainda mais urgente a mobilização sócio-ecológica das populações. O FOGO e a sua cortina de fumo encobrem interesses que visam substituir os direitos constitucionais das populações a uma qualidade de vida e a um ambiente ecologicamente equilibrado, pelo “desenvolvimento” das contas bancárias dos “capitães de indústria“- sobretudo das celuloses” e grandes madeireiros.     
O eucalipto, eucalyptus glóbulos,  introduzido neste país em meados do sec.XIX para secar e drenar pântanos, transformou-se numa praga destruidora da biodiversidade, destruidora da floresta autóctone, destruidora dos recursos aquíferos e do equilíbrio ecológico de regiões e da economia rural, sustentável e comunitária de muitas populações.  O alargamento da sua expansão territorial – como os governantes pretendem – é a MORTE dos ecossistemas e sistemas humanos mais ou menos harmoniosos ainda existentes.
Os fogos atuais que matam bombeiros e destroem aldeias e montes não são os fogos de alguns criminosos isolados nem apenas, nem principalmente. Pode-se detectar e deter as mãos incendiárias mas não se  ousa deter a CABEÇAS que as comandam…

Por estes motivos, rendemos homenagem à coragem e lucidez do articulista do JN do passado dia 29 Ag., que transcrevemos a seguir.
Para quem pretenda ter mais informação sobre estes temas, temos na nossa BIBLIOTECA/ARQUIVO DOCUMENTAL documentação diversa que pode ser consultada às terças e quintas-feiras , das 16 às 20.00 h. na nossa sede (Rua dos Caldeireiros, 213 – à Cordoaria- PORTO

JRP


“Também exportamos bombeiros 
 Artigo de opinião de Daniel Deusdado
Extraído do Jornal de Notícias de 29/08/13

A superficialidade da análise do primeiro-ministro não pode neutralizar a procura da responsabilidade pelas mortes dos bombeiros e do alastrar de tantos incêndios. Porque Pedro Passos Coelho tem razão em dizer que é precipitado e absurdo procurarem-se os culpados em concreto, mas parecer ignorar que o Governo a que preside tem pronta uma legislação que liberaliza a plantação de eucaliptos, deitando gasolina em cima deste território despovoado, desertificado e pronto a arder que é Portugal.
Se o primeiro-ministro tivesse um pouco mais de profundidade no que diz - e não apenas esta ligeireza endémica que o caracteriza -, saberia que é possível uma resposta concreta e séria: olhar para o território de outra maneira e travar este ciclo infernal de plantação de espécies que tornam a floresta num barril de pólvora.
Porque, evidentemente, Pedro Passos Coelho sabe que não é por acaso que o "Jornal de Negócios" considera Pedro Queirós Pereira, presidente da principal holding das celuloses portuguesas, a Semapa, como o 11.o homem mais influente de Portugal. As celuloses instalaram em Portugal fábricas de tamanha capacidade que, naturalmente, fomentaram o alastrar de povoamentos de eucaliptos que se espalharam como uma doença. Não apenas por ser uma espécie de origem australiana que atualmente já é invasora, ou seja, que se multiplica a si própria e alastra como mancha de óleo, mas também porque foi muito fácil seduzir os proprietários florestais a alinharem no cultivo de uma droga natural: deixar os eucaliptos crescerem sozinhos e de sete em sete ou de dez em dez anos mandar alguém cortá-los e receber um dinheiro certo (ainda por cima pouco).
Porque, na nossa pobreza endémica, restam poucas vias à maioria dos proprietários dos terrenos: ou se vende o terreno às celuloses (e aí não há incêndios); ou se plantam eucaliptais para lhes vender a seguir a matéria-prima; ou ficam abandonados até arderem e chegar o eucalipto espontâneo. Mesmo a indústria da biomassa, que foi "vendida" como solução para a limpeza das matas, falhou. Não há quem vá buscar os resíduos da limpeza porque são volumosos e não chegam para rentabilizar o custo do transporte.
Mandar limpar um hectare de mata custa mais de mil euros. A maioria dos proprietários não quer ou não pode gastar esse dinheiro. Aliás, vai fazê-lo para quê? Para repetir essa operação de dois em dois anos a bem da nação? E se arder, qual é o problema, se as árvores que estão no terreno não servem para quase nada? Portanto, que arda.
Diz o ministro da Administração Interna que em parte é "natural" que a floresta arda. O que é verdade - a floresta mediterrânica sempre ardeu de tempos a tempos como fator de regeneração natural. Mas o drama destes incêndios do nosso tempo não é apenas o fogo, é a sua velocidade. O eucalipto tem no fogo um amigo: ao arder propaga-se cada vez para mais longe e ocupa o terreno das espécies naturais que não se refazem com a mesma rapidez. Muitos destes fogos não são então "naturais". São uma sucessão de erros governativos, década após década, no território.
Poderíamos ir atrás dos teorizadores da indústria do petróleo verde do cavaquismo e da via para esta monocultura florestal. No essencial, o modelo funciona - é um êxito - e há quem aplauda exportarmos muito papel. Nessa medida, morrerem bombeiros é um dano colateral, como em qualquer país subdesenvolvido morrer gente em atividades de risco. Mau para as famílias das vítimas mas apenas uma circunstância de negócios. Portugal vende floresta (e bombeiros). Com um orgulho anacrónico. A Portucel já é a terceira maior exportadora nacional.
Mudar algo, sr. primeiro-ministro? É melhor não perguntar ao seu novo ministro do Ambiente. Não vá ele dizer-lhe que o melhor é desistir da ideia de liberalizar a plantação de eucaliptos em qualquer área do país. Não vá acontecer daqui a 10 anos estarmos a perguntar como arderam vilas inteiras, já despovoadas, rodeadas de "desertos" de árvores sem ecossistemas, em cima de campos outrora agrícolas, junto a leitos de rios com algas geradas por sucessivas vagas de cinzas. Um país ainda mais miserável no interior e com cada vez com menos água limpa nas cidades. Culpados, sr. primeiro-ministro? Não. Nenhum. Nunca. »